Direitos de autor, downloads, peer to peer, pirataria, etc etc.
Um assunto que mexe comigo, é um desafio à inteligencia, às competências de Marketing, à capacidade de adaptação às novas formas de comunicação baseadas nas tecnologias da informação.
A minha ideia base é a de que a partilha favorece o negócio… E, por isso, retenho este trecho dum artigo no Público.
“Enquanto de um lado se acena com os números do declínio das vendas de música e filmes registados desde a massificação da banda larga, do outro citam-se estudos académicos que apontam não haver uma ligação directa entre o download e as vendas. Um exemplo frequente é o do autor brasileiro Paulo Coelho, cujas vendas de livros subiram depois de o próprio ter colocado (sem o conhecimento da editora) parte da sua obra na Internet.”
.
Por outro lado, adianta tentar combater a realidade? Não será possível encontrar formas de alinhar o negócio com as novas realidades? (adaptar!)?? (UZ 3D, os Radiohead com o CD gratuito na net, Paulo Coelho e a sua obra auto-pirateada, a optimização do myspace, os “extras”…) – act.: ver também o concerto dos Coldplay na BBC2 transmitido em directo via internet.
É evidente que Paulo Coelho já trazia consigo a notoriedade que pode ter estimulado o fenómeno. Da mesma forma, com os Radiohead pode argumentar-se que já eram banda de culto e que, por outro lado, houve o efeito novidade da divulgação gratuíta.
Mas vejamos outro exemplo… Na altura nunca tinha ouvido falar desta banda: The XX. Recebi e-mail de alguém, que “sacou” e ouviu, aconselhando-me a ouvir. Fui ao myspace. Ouvi os quatro ou cinco temas disponíveis. A partir daí poderia vir o download do CD (negativo?) ou a compra. Mas o que é certo é que eu dificilmente saberia da existência desta banda se não houvesse este circuito de partilha. Agora vejamos no myspace a agenda de concertos da banda. E depois pensemos se seria possível aquela agenda, preenchida como está, apenas com base na distribuição convencional…
.
P.S.: É um pensamento um pouco lateral à coisa, mas parece-me evidente que se chegarem a invadir o espaço puro de partilha, através do ataque à pessoa que faz o download, só vão estar a demonstrar que não percebem como funciona a informática – e vão ser rápida e fortemente surpreendidos com as formas de substituição que vão acabar por surgir (em menos de nada!).
P.S.: Publicado inicialmente em LFJ.

Pin It on Pinterest

Share This

Partilhar

Partilhar

Partilhe este conteúdo!

%d bloggers like this: