Fazer: 

  1. Avaliar
  2. Dar feedback de forma directa
  3. Explicar as consequências – Verdadeira consciência da relação de autoridades na organização
  4. Aceitar que algumas pessoas não vão mudar
  5. Documentar tudo – Provas, provas, evitar os zigue-zagues da memória
  6. Minimizar a interacção da pessoa tóxica com o resto da equipa
  7. Não se deixar distrair

Não Fazer:

  1. Não despoletar o assunto junto doutros membros da equipa.
  2. Não despedir a pessoa sem antes documentar o seu comportamento, o impacto, e a “nossa” resposta.
  3. Não envolver tanto no assunto que se esquece o trabalho e responsabilidades mais importantes.

 

Ao longo de todos estes anos e experiências mantive contacto com situações comuns a diferentes organizações, sectores, culturas, e gestores (umas positivas, outras negativas).

Uma das mais marcantes, pelo impacto negativo óbvio, muitas vezes visível e assumido pela gestão, e pela aparente facilidade com que se resolveria, é a gestão dos funcionários (com comportamentos) tóxicos – as maçãs podres, pessoas muitas vezes do topo da hierarquia, desalinhadas da razão de ser e objectivos duma organização, que corrompem todas as suas dimensões: cultura, capital humano e intelectual, imagem externa, performance, sustentabilidade.

Este artigo, do qual retirei os pontos acima, é o manual definitivo, passo a passo, de como lidar com a situaçãohttps://hbr.org/2016/10/how-to-manage-a-toxic-employee.

 

Pin It on Pinterest

Share This

Partilhar

Partilhar

Partilhe este conteúdo!

%d bloggers like this: