• É sempre melhor sabermos, de facto, quem são os melhores fornecedores, e aquilo em que cada um é melhor.
  • Pode ser útil, por razões negociais, utilizar dados concretos para fazer acordos de compra com os fornecedores.
  • Existem pequenos truques que fazem milagres…

Além disto, teorizando um pouco mais:

  • As organizações têm fornecedores, e querem que eles sejam os melhores, mas eles são sistemas e pessoas como nós, e, por isso, é preciso estruturar e sistematizar a sua gestão.
  • Com ou sem certificações da qualidade, as organizações têm que assegurar a gestão das compras, os processos de compras, a selecção e avaliação de fornecedores, a gestão das necessidades de compras, a valorização da qualidade dos fornecimentos, e as relações cliente/fornecedor.

 

Uma história: (verdadeira)
PF conheça neste link o caso da empresa que achava que conhecia os seus fornecedores.

P.S.:  Em termos de implementação no contexto dos referenciais da Qualidade (ISO 9000, EQUASS, e outros), há muito “terreno escorregadio” e o que podia ser uma coisa simples pode derrapar para se tornar num monstro!… (ver o link)

 

O QUE EU FAÇO:

  1. Faculto uma metodologia muito estruturada – mas simples e de rápida compreensão – de integração da gestão de fornecedores (selecção e avaliação);
  2. Faculto de forma gratuita e definitiva os suportes para operacionalização (ficheiros informáticos);
  3. Suporto as alterações documentais necessárias;
  4. Coordeno e participo na operacionalização.

Pin It on Pinterest

Share This

Partilhar

Partilhar

Partilhe este conteúdo!

%d bloggers like this: